"O verdadeiro analfabeto é aquele que sabe ler, mas não lê." Mario Quintana

domingo, 3 de abril de 2016

Polonaises - Paulo Leminski

Postado Por: with 1 Comentario



Dança da chuva
senhorita chuva
me concede a honra
desta contradança
e vamos sair
por esses campos
ao som da chuva
que cai sobre o teclado

aqui
nesta pedra
alguém sentou
olhando o mar
o mar
não parou
pra ser olhado
foi mar
pra tudo que é lado

um deus também é o vento
só se vê nos seus efeitos
árvores em pânico
bandeiras
água trêmula
navios a zarpar

me ensina
a sofrer sem ser visto
a gozar em silêncio
o meu próprio passar
nunca duas vezes
no mesmo lugar
a este deus
que levanta poeira dos caminhos
os levando a voar
consagro este suspiro
nele cresça
até virar vendaval

um passarinho
volta pra árvore
que não mais existe

meu pensamento
voa até você
só pra ficar triste

tenho andado fraco
levanto a mão
é uma mão de macaco
tenho andado só
lembrando que sou pó
tenho andado tanto
diabo querendo ser santo
tenho andado sem pai
yo no creo em caminos
pero que los hay
hay

um dia
a gente ia ser homero
a obra nada menos que uma ilíada

depois
a barra pesando
dava pra ser aí um rimbaud
um ungaretti um fernando pessoa qualquer
um lorca um éluard um ginsberg

por fim
acabamos o pequeno poeta de província
que sempre fomos
por trás de tantas máscaras
que o tempo tratou como a flores

um poema
que não se entende
é digno de nota
a dignidade suprema
de um navio
perdendo a rota

Meu avô-macaco
Aquele que Darwin buscou
Me olha do galho:
Busca a força dos caninos
O vigor dos pulsos
O arfar do peito
O menear da cabeça
O trabalho
Tudo se foi
Nada mais resta
Do fulgor primata
Da força de boi
Saber
Saber mata

Do livro "Toda poesia" de Paulo Leminski
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

1 comentários:

Postar um comentário